A recomposição salarial de 10,06% para todos os servidores públicos do Executivo mineiro foi aprovada nesta quarta-feira (30/03) pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Após discussão, os deputados incrementaram a proposta enviada pelo governo, incluindo entre outras mudanças a adequação dos salários da educação básica e ensino superior ao piso nacional da categoria.

Outro avanço no Legislativo foi que a retroatividade a janeiro de 2022, que era só para algumas categorias, passou a ser para todos. 

Para a educação, os parlamentares incluíram um reajuste de 33,24%, equivalente ao aumento do piso nacional. Emenda do 1º secretário da Casa, deputado Tadeu Martins Leite e de outros colegas parlamentares estendeu esse índice ao ensino superior, contemplando a Unimontes e a Uemg.

“Conseguimos avanços importantes no projeto e garantir o pagamento do piso da educação não só para os profissionais da educação básica, mas também do ensino superior, que merecem ser valorizados. Também tivemos melhorias para a segurança e a saúde”, afirmou Tadeu Martins Leite.  

Para os profissionais da segurança e da saúde, os deputados também incluíram um reajuste de 14%, que se soma ao de 10,06% da proposta inicial. No caso dos policiais civis e militares, também houve ampliação do chamado abono fardamento. 

O texto seguiu para o Executivo para ser sancionado e virar lei.